SimBRT - Simulador de BRT da EMBARQ
simul.JPG

Atualizado em 11/08/2014.

Foto: Rede EMBARQ

Desenvolvido pela EMBARQ Brasil, com a experiência de renomados projetistas de sistemas de BRT (Bus Rapid Transit), o SimBRT foi aplicado tanto na concepção de novos BRT quanto no controle e melhoria de sistemas em operação. Atualmente, a EMBARQ Brasil não realiza mais simulações.

Com a ferramenta, foi possível identificar possíveis falhas nos sistemas projetados e corrigi-las antes da construção, evitando a perda de tempo e recursos. O software também permitiu a melhoria de desempenho de um sistema BRT já em operação.

A ferramenta foi desenvolvida para simular com precisão o funcionamento de sistemas BRT em condições típicas de países latino-americanos e asiáticos. As características comuns destas regiões são: alta demanda de passageiros; elevado fluxo de ônibus; duas pistas exclusivas de BRT por direção ou pista única com ultrapassagens; interseções semaforizadas, e operação de sistemas tronco e alimentador.

Funções do SimBRT:

  • Replicar o desempenho dos sistemas de BRT em um ambiente controlado (microcomputador);
  • Avaliar alternativas (layout, controle, demanda e operação, por exemplo), sem riscos e custos de fazê-lo no mundo real;
  • Gerar compreensão das complexidades e flexibilidades dos sistemas de BRT;
  • Possibilidade de introdução de conceitos inovadores de BRT.

Exemplo de ação do SimBRT sobre malha viária existente:

Nesta simulação, percebe-se a malha viária já existente e a área ao redor da via onde localiza-se o corredor.


Cristo 2.jpg
A simulação dos futuros corredores BRT gerou as mudanças necessárias para atender a demanda de público durante as competições, o que foi fundamental para o Rio de Janeiro se tornar a sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Foto: Ricardo Zerrenner
arequipa.jpg
“É a primeira vez que vejo um projeto ser modifcado com base no resultado de uma simulação”. - Pedro Szasz, projetista de renome mundial em BRT, após a apresentação do estudo da EMBARQ Brasil para o projeto de Arequipa (Peru). Foto: Claudia Adriazola